26 de out de 2009

Máximas...



Máximas Extraídas dos Ensinamentos dos Espíritos


36. O verdadeiro Espírita não é aquele
que crê nas manifestações, mas aquele
que aproveita o ensinamento dado pelos Espíritos.
De nada serve crer, se a crença não o faz dar
um passo à frente no caminho do progresso,
e não o torna melhor para o seu próximo.

37. O egoísmo, o orgulho, a vaidade,
a ambição, a cupidez, o ódio, a inveja,
o ciúme, a maledicência, são para a alma
ervas venenosas da qual é necessário
cada dia arrancar algum pé e que têm,
como antídoto: a caridade e a humildade.

39. A importância que o homem dá
aos bens temporais está na razão inversa
de sua fé na vida espiritual;
é a dúvida sobre o futuro que leva-o
a procurar suas alegrias nesse mundo,
satisfazendo suas paixões, inclusive
às expensas de seu próximo.

40. As aflições na Terra são os remédios
da alma; elas a salvam para o futuro
como uma operação cirúrgica dolorosa
salva a vida de um doente e lhe devolve
a saúde. Por isso o Cristo disse:
"Bemaventurados os aflitos, porque
serão consolados."

41. Nas vossas aflições, olhai abaixo de vós
e não acima; pensai naqueles que sofrem
ainda mais que vós.

42. O desespero é natural naquele
que crê que tudo acaba com a vida do corpo;
é um contra-senso naquele que tem fé no futuro.

43. O homem, freqüentemente, é o artífice
de sua própria infelicidade neste mundo;
que ele remonte à fonte de seus infortúnios,
e verá que são, para a maioria, o resultado
de sua imprevidência, de seu orgulho,
de sua avidez, e, por conseguinte, de sua
infração à lei de Deus.

44. A prece é um ato de adoração.
Orar a Deus é pensar nele;
é aproximar-se dele; é pôr-se
em comunicação com ele.

45. Aquele que ora com fervor
e confiança é mais forte contra
as tentações do mal, e Deus lhe envia
os bons Espíritos para ajudá-lo.
É um socorro que jamais é recusado
quando pedido com sinceridade.



por Allan Kardec
do Livro: Espiritismo em sua mais
simples expressão

Nenhum comentário: