12 de set de 2009

Hereditariedade Moral



(Richard Simonetti)

Frequentemente, os pais transmitem aos filhos
a parecença física.

Transmitirão também alguma parecença moral?

Não, que diferentes são as almas
ou Espíritos de uns e outros.
O corpo deriva corpo, mas o Espírito
não procede do Espírito.

Entre os descendentes das raças
apenas há consanguinidade.
Questão 207 de O Livro dos Espíritos.

Vários provérbios ressaltam a ideia
de que os filhos reproduzem defeitos
e qualidades dos pais:

Tal pai, tal filho...

Filho de peixe, peixinho é...

Quem sai aos seus não degenera...

Filhos de gatos, ratos mata...

Filho de burro pode ser lindo, mas um dia dá coice...

Bem, depende do ângulo em que observamos o assunto.

Quanto à estrutura física é notório
que funciona a hereditariedade.
Filha de pais obesos dificilmente será manequim.
Filho de pais magérrimos terá poucas chances
de ser lutador de sumo.

Há, também, certo peso hereditário determinando
o quociente de inteligência.
Pais de QI elevado guardam melhores chances
de gerar filhos inteligentes.
Pesquisas demonstram isso.

Aqui é preciso levar também em consideração
o nível social. Indivíduos de QI elevado
obtem maior sucesso profissional, garantindo razoável
estabilidade econômico-financeira.
Consequentemente seus filhos serão bem nutridos,
terão melhores escolas, cuidados médicos adequados,
vida mais saudável, opções numerosas de esporte e lazer.
Tudo isso favorece o desenvolvimento intelectual.

Imperioso recordar sempre, no estudo da reencarnação,
que o Espírito subordina-se às possibilidades do corpo
que lhe serve às experiências humanas, como um corredor
de Fórmula Um está sujeito às potencialidades de sua máquina.
Ayrton Senna, ás do automobilismo mundial,
afundaria em ostracismo sem um carro de tecnologia de ponta.

Um gênio da Espiritualidade terá imensas dificuldades
em mobilizar seu potencial num corpo subnutrido desde
a gestação.

Isso é claramente demonstrado nas experiências com adoção.
Filho de favelados humildes, paupérrimos, é adotado por
família rica, ainda recém-nascido.
Recebe desde logo o que há de melhor em nutrição
e cuidados médicos. O confronto deste bebê, na idade adulta,
com um irmão que permaneceu na favela, re
velará sensível diferença em favor do primeiro.

O mesmo não se pode dizer quanto à moral.

Não herdamos a bondade ou a maldade,
o altruísmo ou o egoísmo, o vício ou a virtude
de nossos pais.

Esses valores não estão impressos nos genes,
nem se condicionam à estrutura ou desenvolvimento.

Constituem patrimônio do Espírito.

Há, sem dúvida, também aqui, a influência do meio.
A criança é sensível aos exemplos que recebe,
ao pressionamento do ambiente em que vive.

Mas é uma influência relativa, mesmo porque
a evolução moral opera-se de dentro para fora,
a partir da disposição íntima do indivíduo em lutar
contra suas imperfeições e deficiências.

Continua.....

Nenhum comentário: