29 de abr de 2010

Instante Sagrado



Senhor protegei as nossas dúvidas,
porque a Dúvida é uma maneira de rezar.

É ela que nos fazem crescer,
porque nos obriga a olhar sem medo
para as muitas respostas de uma mesma pergunta.
E para que isto seja possível,

Senhor protegei as nossas decisões,
porque a Decisão é uma maneira de rezar.

Dai-nos coragem para, depois da dúvida,
sermos capazes de escolher entre um caminho e o outro.
Que o nosso SIM seja sempre um SIM,
e o nosso NÃO seja sempre um NÃO.
Que uma vez escolhido o caminho,
jamais olhemos para trás,
nem deixemos que nossa alma seja roída
pelo remorso.
E para que isto seja possível,

Senhor protegei as nossas ações,
porque a Ação é uma maneira de rezar.

Fazei com que o pão nosso de cada dia seja fruto
do melhor que levamos dentro de nós mesmos.
Que possamos, através do trabalho e da Ação,
compartilhar um pouco do amor que recebemos.
E para que isto seja possível,

Senhor proteja os nossos sonhos,
porque o Sonho é uma maneira de rezar.

Fazei com que, independente de nossa idade
ou de nossa circunstância, sejamos capazes
de manter acesa no coração a chama sagrada
da esperança e da perseverança.
E para que isto seja possível,

Senhor dai-nos sempre entusiasmo,
porque o Entusiasmo é uma maneira de rezar.
É ele que nos liga aos Céus e a Terra,
aos homens e as crianças, e nos diz que
o desejo é importante, e merece o nosso esforço.
É ele que nos afirma que tudo é possível,
desde que estejamos totalmente comprometidos
com o que fazemos. E para que isto seja possível,

Senhor protegei-nos, porque a Vida
é a única maneira que temos
para manifestar o Teu milagre.

Que a terra continue transformando a semente em trigo,
que nós continuemos transmutando o trigo em pão.
E isto só é possível se tivermos Amor
– portanto, nunca nos deixe em solidão.

Dai-nos sempre a tua companhia,
e a companhia de homens e mulheres que tem dúvidas,
agem, sonham, se entusiasmam, e vivem como se cada
dia fosse totalmente dedicado a Tua glória.

Amém.

Excerto da crônica A Oração que Eu esqueci

[A oração que eu esqueci

Andando pelas ruas de São Paulo, recebi de um amigo
- Edinho Oliveira - um panfleto chamado “Instante Sagrado”.
Impresso a quatro cores, em excelente papel,
não identificava nenhuma igreja ou o culto,
apenas trazia uma oração escrita.

Qual foi minha surpresa ao ver que quem
assinava esta oração era – EU!
Ela havia sido publicada no início da década de 80,
na contracapa de um livro de poesia.
Não pensei que resistisse ao tempo,
nem que pudesse retornar as minhas mãos de maneira
tão misteriosa; mas, quando a reli,
não me envergonhei do que havia escrito.

Já que estava naquele panfleto,
e já que acredito em sinais, achei oportuno reproduzi-la aqui.
Espero estimular cada leitor a escrever sua própria prece,
pedindo para si e para os outros aquilo
que julga mais importante. Desta maneira,
colocamos uma vibração positiva em nosso coração,
e ela há de contagiar tudo que nos cerca. ]

Nenhum comentário: