15 de ago de 2009

Todos Temos Direitos e Deveres





-Lancellin-

Direitos todos temos, no pentagrama
das nossas existências.
Em confronto com o que existe à nossa retaguarda,
somos privilegiados pelas conquistas
que o tempo nos premiou na ascensão da vida.

Porém, não podemos nos esquecer
dos deveres a cumprir diante dos outros,
que viajam conosco no mesmo comboio planetário.

Compete a nós respeitar os que nos ajudam
a viver, para que o próprio respeito nos garanta
a tranqüilidade.

Temos competência de fazer o que desejarmos
que seja feito. No entanto, podemos assumir
com isso dívidas para com os nossos irmãos,
se os nossos feitos não compartilharem
com a harmonia da criação.

O nosso direito é ser honesto
e o nosso dever é respeitar a vida
que o semelhante leva, de modo que
o tempo seja gasto somente na educação
que nos compete adquirir.

O nosso direito é a honra onde quer
que andemos e o nosso dever é o encargo de
trabalhar em silêncio nos moldes do exemplo,
para ajudar quem ainda não percebeu os valores
das virtudes espirituais.

O nosso direito é nos interessar
pelo auto-aprimoramento e a nossa incumbência
é trabalhar constantemente pela paz de todas
as criaturas de Deus.

A condição nossa, de espírito que já despertou
para a luz, é o imperativo sagrado de ajudar
a quem quer que seja, sem exigências descabidas,
que possam nos levar ao orgulho e à vaidade.

Autoridade devemos ter, e é justo que
a exercitemos nos domínios das nossas emoções
inferiores, porque, aí, a nossa missão
se engrandece diante de todas as criaturas
que vivem conosco.

Alistemo-nos no exército da salvação de nós mesmos,
e entremos na lição. Vamos lutar!
Essa é uma guerra e não podemos fugir
dos objetivos a que nos propusemos.

É uma conquista altamente valiosa,
a conquista de nós mesmos.

Estamos enfermos e tão enfermos, que somente
a cirurgia pode nos aliviar, a cirurgia moral.

O terapeuta, quando chega às portas da perfeição,
trata somente dele mesmo, porque só ele se conhece bem,
e sabe, depois de Deus, os meios corretos
da cura completa.

Só ele mesmo conhece os segredos da sua própria natureza
e aplica os medicamentos correspondentes às suas necessidades.

Meu irmão, já analisaste todos os dias,
se respeitas os direitos alheios,
pelos pensamentos, palavras e ações?

Se não, faze isso e começa a trabalhar
dentro de ti mesmo.
Planta e cuida da terra,
que o crescimento pertence ao Senhor,
que nunca faltará com o Seu amor e a Sua bondade.

A prerrogativa de todos os seres
é viver bem consigo mesmo.

Entretanto, temos grandes atribuições
para com o próximo, que não pode sofrer com custo
para a nossa felicidade.

Vigia a tua palavra, pois ela, sem a devida harmonia,
incomoda quem te ouve e desinquieta quem te acompanha.

Somos responsáveis pelo que somos e fazemos.
Recebemos de volta o que damos em todas
as dimensões da vida.
O comportamento da alma pode ser luz ou treva
nos teus próprios caminhos.
Em tudo o que fizeres, lembra-te desta palavra:
Respeito - que os teus direitos serão resguardados
pela lei, que nada esquece.



pelo espírito de Lancellin
psicografia João Nunes Maia
do Livro Cirurgia Moral

Nenhum comentário: